Trilha de Metodologias Ágeis: Parte 6 – FDD

Created with GIMP

Olá Pessoal, tudo bem? Hoje encerramos nossa trilha de metodologias ágeis, e nossa troca de ideias hoje será sobre FDD – ( Feature Driven Development)

Essa metodologia foi desenvolvida baseada no método COAD, que é um tipo de metodologia orientada a objetos, e o estudo dela trabalha baseando seus conceitos em problemas palpáveis e processos interativos. Seu principal lema é: resultados frequentes, tangíveis e funcionais. Aqui você define funcionalidades através de prioridades, e as mais críticas levam até 2 semanas para serem concluídas.

Funções FDD

Como algumas metodologias que já vimos aqui, a FDD também possui papeis e responsabilidades que são necessários para o funcionamento correto da metodologia. No FDD temos 6 essenciais: Gerente de projeto, Arquiteto Chefe, Gerente de desenvolvimento, programador chefe, Proprietário de classes e Especialistas em domínio.

Gerente de projeto: Pode gerenciar vários projetos, seu principal papel é compartilhar relatórios de progresso com o cliente, e garantir que todo o projeto está sendo realizado conforme necessário.

Arquiteto chefe: Responsáveis pelo designer do sistema, são também responsáveis em fazer todos da equipe entender aquele designer. Ele é quem cria o sistema.

Gerente de desenvolvimento: Quem lida com a equipe de desenvolvedores. Acompanha o dia a dia, analisa e garante que não tenha impedimentos, coordena o arquiteto chefe e o gerente de projetos.

Programador Chefe: O programador mais experiente. Responsavel por ajudar a equipe a programar.

Especialista em domínio: Alguém que tenha o melhor conhecimento possível do que precisa ser feito. Não precisa ser técnico, pode ser quem usa o sistema, o patrocinador ou qualquer outro. A responsabilidade dessa pessoa é auxiliar nas dúvidas de funcionamento mesmo. O que você precisa que o sistema faça? O que ele já faz? E assim por diante.

Processos do FDD

Para funcionamento do FDD, é preciso seguir uma série de processos. Cada um deles é responsavel por uma etapa do projeto.

Cada um desses processos possui critérios essenciais e um template para seguir:

Entrada: Selecionar tudo o que será feito

Tarefas: Quais atividades serão realizadas. Deve conter Nome, Equipe e Descrição

Verificação: Verificar se a tarefa foi executada corretamente antes de passar para a próxima etapa.

Vantagens:

Uma das maiores vantagens desse modelo, é garantir e obter melhores práticas. Ele possibilita que várias equipes trabalhem juntas, economizando tempo de todos. Ele é bem mais recente que outros frameworks, mas já ocupa um grande lugar no mundo ágil.

Bom, esse é o último post da nossa trilha. Espero que tenham gostado e agregado valor a vocês de alguma forma. Abraços a todos e até o próximo post. ♥

Sobre Bianca Dezorzi 25 Artigos
Formada em Gestão de T.I, apaixonada por cães e sempre aprendendo. Atualmente trabalho como Customer Success Manager e coordeno uma poderosa central de serviços

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*